AEW e seu cemitério de ideias

Esse texto serve de base para outro maior e mais específico que sera postado no WrestleBr sabe Deus lá quando. 

 

Então né, caro leitor. AEW. Assistiu?

É interessante ver como um produto que, nos idos de 2019 prometia ser a revolução do Wrestling em termo de frescor, estilo, storylines e ideias já se tornou o que todo mundo mais ou menos esperava: um cemitério de boas ideias. 

Era possível ver a mordida vindo daquela boca gigante formada por quatro dentes – Young Bucks, Cody Rhodes e Kenny Omega -, mas esperar que ela fosse ser tão torta assim era sacanagem. E eu não acho o produto ruim, de maneira alguma. Mas também, na mesma medida, não é bom. Acho impossível assistir um Dynamite inteiro e pensar “nossa, que show inteiramente maneiro”

 

 

  • Ain, mas o da WWE também não!

 

É, filha da puta, também não. Sabe quando isso foi parâmetro? NUNCA. Eu sou um imbecil e não é por isso que você se torna menos imbecil. É assim que a vida toca, infelizmente e, tendo isso como base, a AEW se tornou um palco para que coisas que funcionavam fora dela passassem a ter muita água em sua mistura. Logo temos versões diluídas de coisas que até eram maneiras em pequenas doses de shows mensais independentes. 

Isso acontece quando se tenta fazer um show desses moldes dentro de uma estrutura televisiva semanal e com Storylines do tipo “cintada no Cody Rhodes”. 

Pessoalmente a comparação mais clara que vem à mente é o curta Kung Fury. O curta – dirigido e estrelado por David Sandberg – tenta tanto, mas TANTO, ser um filme trash dos anos 80, com todas as suas coisas exageradas e vergonhosas e absurdas e estilizadas, que pesa a mão, o que o faz ser uma versão ruim de todas essas coisas. 

Logo temos lutas aleatórias como em todo show, histórias sem razão de ser – como a bebedeira do Adam Page, que era um personagem bem legal antes de perder o título para um senhor -, Stables cansativas e, bom, um plantel de tag teams fantástico que, por alguma razão, não é aproveitado a ponto de ganhar um título. PORQUE NÉ? VAMOS FAZER UMA TAG TEAM NOVA SEM QUÍMICA E ALEATÓRIA. Até o Mox, que era, em sua própria visão, caricaturado e exagerado na WWE, virou uma versão ultimate do Dean Ambrose, agora usando tapa olho.

Nisso tudo eu só fico feliz da Nyla Rose ter virado campeã.

Porque sim, a AEW pode ser legal, mas ela se esforça tanto para ser legal que, ao fim de tudo, vira só um amontoado de conceitos interessantes, deitados todos em uma UTI sem salvação, esperando pelo toque de Cody Rhodes para transformar tudo em cinza. 

5 comentários em “AEW e seu cemitério de ideias

  1. Já vi que o senhor cresceu a ver WWE e não sabe o que é wrestling fora desta, a AEW é a melhor empresa de wrestling nos EUA atualmente quer você goste ou não. Continue aí assistindo sem oercever bada e cheio de inveja.

    1. Haha eu provavelmente já vi mais Wrestling do que você sabe que existe. Falar que a AEW é a melhor empresa de PW dos EUA e não ver PW nos EUA MESMO.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *