Semanalfabeto 14# – Morte

Não há muito que se possa falar frente a morte. Ela tem uma voz forte que cobre tudo e todos, falando o que basta. Ontem três wrestlers faleceram e me pareceu injusto escrever sobre qualquer coisa ao invés disso, mesmo que, durante um breve período, eu não fosse escrever sobre nada mesmo.

Sem resumos de carreira nem grandes homenagens às suas jornadas no mundo do PW, sem videos tributo; eu não saberia faze-lo e nem tenho estofo para tal. Três partidas em situações completamente diferentes, misturando o trágico com o natural inevitável, levando, de qualquer forma, ao mesmo destino inevitável, ainda que tenhamos esperança
O que resta agora é reconhecer que Peruzovic, Christopher e Seawright tinham uma vida, pessoas que esperavam suas chegadas e que, sabendo que eles ainda existiam, podiam também existir de uma maneira melhor.
Essas vidas acabaram e a luta livre ao mesmo tempo tão grande pois, em grande parte, definiu suas existências, se torna pequena já que, para eles, não existem mais as três cordas do ringue.
Essa edição foi escrita em pesar as mortes de Josip Nikolai Perusovic (Nikolai Volkoff), Brian Christopher (Grand Master Sexy) e Fredrick Seawright (Brickhouse Brown.)

Leia Mais

PIPE OFF: Prévia dos X-Games 2018

Na próxima quinta feira tem se inicio mais uma edição do principal evento no calendário dos esportes radicais os X-Games. Esse ano na sua 24 edição (sem contar as edições de inverno e secundarias), e o evento mais uma vez aterrissa na cidade de Mineapolis sendo novamente realizado no US Bank Stadium mais conhecido como a casa do Minessota Vikings.  Como de costume estarão presentes alguns dos principais atletas de BMX, FMX e Skate se digladiando em busca da tão sonhada vaga no pódio. Pensando nisso esse post tem o intuito de fazer uma pequena analise previa das competições da modalidade de BMX.(infelizmente não tenho “know-how” suficiente para analisar as competições de skate que tenho um conhecimento bem básico e menos ainda de FMX que as únicas coisas que sei são os nomes de algumas manobras que são mesmo do BMX)

(mais…)

Leia Mais

Semanalfabeto 12# – Decepção

O Brasil perdeu a copa ontem e hoje eu estava vendo um documentário sobre Warren Ellis, então eu preciso falar sobre como o esporte as vezes gera decepção enquanto conta uma ótima história. Ou sobre nada disso, eu simplesmente não tenho ideia sobre o que escrever.

Bem-vindo a mais um Semanalfabeto. Infelizmente isso ainda é uma coluna sobre Wrestling.

Existe muita coisa dentro da luta livre que já me chateou profundamente; essa semana, hoje, esse mês, desde que eu nasci. Eu me lembro de ter três anos e ver o Pitbull de Mauá mordendo a cabeça do Michel Serdan. Não sei se já aconteceu, mas na minha cabeça a cena existe e envolve uma mulher chorando ao lado do ringue.

Não que nada disso tenha sido particularmente decepcionante, foi só o que veio a cabeça.

Whooooo’s your daddy

Eu realmente queria que o Bret Hart tivesse voltado mais cedo para a WWE, que não tivesse sido chutado na cabeça por um lutador totalmente descuidado, queria que ele não tivesse sofrido com o câncer e fico muito feliz dele ter saído dessa. Entretanto a questão aqui não são as doenças do Bret. É engraçado como –- não, na verdade não.

É curioso, porque eu seria um completo idiota em achar algumas coisas engraçadas (e você preste atenção no que acha engraçado, pois você pode ser um imbecil e não estar ciente disso), como algumas das maiores tragédias da vida nos privam de coisas totalmente simples e momentos que não fazem a mínima diferença no grande esquema das coisas, pelo menos não quando comparados ao impacto de uma pessoa viva. E geralmente é a morte que nos tira os grandes momentos, as grandes lutas que nunca vimos, as grandes feuds.

A vida em si tira quando não esperamos. Tyson Kidd podia muito bem ainda ter condições de lutar, mas não tem. Hogan vs Flair não aconteceu quando tinha de acontecer. Foi na WCW, com dois lutadores já fora longe de seu auge, sem o clima necessário, sem o poder que poderia existir dentro de uma feud com dois nomes desse peso.

A gente é um tanto egoísta não? Pensar em coisas assim quando tantas outras variantes poderiam ter sido diferentes e que seriam muito mais benéficas para a raça humana. Mas é assim que nós somos, meus amigos. As botas, as cordas, as luzes, é tudo tão fantástico que mesmo as barreiras da possibilidade acabam se tornando pequenas para nossa mente que pensam “e se?”

E ele nunca vem, a possibilidade NUNCA vem, porque o que era viável acontecer, aconteceu. Eu começo a escrever sobre doenças e morte e acabo pensando que não falei o suficiente sobre isso, mas não é sobre isso que eu quero falar. Desculpa.

Triple H ganhou uma porrada de lutas que não precisava ganhar e a gente sempre vai falar isso e nunca falar do quanto de lutas ele perdeu, porque no final não importa, uma coisa não anula a outra.

Sabe quando você está lendo alguma coisa e pensa “esse cara está totalmente perdido”. Alex está totalmente perdido. Não é por conta da copa, que foi realmente a força motriz para essa edição (que basicamente é o que vem à cabeça), entretanto é o que aparece depois de perder um jogo ou não conseguir defender sua tese de mestrado, falhar num lance, não lerem o que você escreve, qualquer coisa do tipo.

Investimento emocional é algo que gera uma séria dose de melancolia e de abstinência. Eu tenho melancolia toda vez que eu ligo no FOX Sports 2 e assisto o Raw e só consigo gostar de 20 minutos das 3 horas de programa e fico pensando se o verdadeiro problema não está do lado que cá da TV e não de lá.

Aonde está o erro meu amigo? Aonde está a formula?

E mesmo assim tanta coisa que parecia improvável, essas acabaram acontecendo. Tantos momentos fantásticos aparecem nesse mundo da luta livre todo dia, então deixe de ser um ingrato desgraçado.

Até semana que vem.

Leia Mais

Semanalfabeto 11 # – Das 00h às 06h

Talvez você não saiba, mas luta livre às vezes pode ser muito bom para curar insônia (ou, pelo menos, para lidar com ela)

 

Eu sempre tive um sono muito inconstante, fato que me rendeu muitos amigos, devido ao tempo livre em que eu estava conversando quando poderia estar dormindo, mas também muita dor de cabeça, tendo em vista o cansaço no dia seguinte, ou ainda a sensação terrível de desconexão que a falta de sono proporciona.

Para que conste nos autos, escrevo isso às 4h02 AM como prova do meu comprometimento jornalístico para com a verdade.

 

Bem-vindos ao Semanalfabeto.

 

Durante minha adolescência inteira (que, acredite você ou não, já passou, apesar da idade mental) tive de arranjar uma maneira de conviver com insônia. A fórmula encontrada foi ter algo para dividir a atenção entre o esforço e a obrigação de fechar os olhos e o fato de que eu não conseguia me desligar, pois assim eu, uma hora ou outra, acabava cedendo ao sono, ou ele cedia a mim, fosse por sobrecarga ou distração. Logo quando eu não estava escrevendo, lendo ou conversando com alguém era bem provável que eu estivesse assistindo alguma coisa. Tire os filmes e as séries e você já sabe onde eu quero chegar: W R E S T L I N G !

 

Seria falsidade dizer que a maior parte do que eu consumi sobre Luta-Livre foi de madrugada, contudo é inegável que esse tempo sozinho, sem interferência externa, ou até mesmo com interferência externa, nos casos em que eu via algum show com o outro intrépido deste site, (que eu não irei nomear, mas que também tem uma coluna semanal) me ajudaram a continuar acompanhando esse entretenimento em épocas que o dia, com suas leves obrigações  e seu barulho, parecia não colaborar comigo. Isso se aplica principalmente a shows com duas horas ou mais de duração real, pois eu precisava ficar sem nada para fazer e enfim me dedicar a eles.

 

Não quero passar a impressão que Wrestling é algo secundário na minha vida e, se ainda assim você ficar com tal impressão, eu concordo com você. Porque isso prova em algum tanto que é sim uma mídia que  eu deixava para consumir quando tudo ao meu dispor já estava esgotado e que, mesmo com a disponibilidade que um adolescente que não trabalha possui, não era a primeira na minha lista. Agora, todo mundo que vive no Séc XXI (ou adiante, meu caro membro da Legião dos Super-Heróis) sabe que a quantidade de coisas para consumir quando se tem acesso a internet é inesgotável por pura coerência matemática, doravante, não é tão segundo plano assim.

 

E não se engane, foram anos efervescentes. Se hoje é possível olhar para trás e enxergar as falhas, as coisas toscas e bregas que pareciam um máximo e a mediocridade de lutadores os quais idolatramos, viver naquele momento era viver ansioso, principalmente depois, e isso vem de alguém que acompanhava majoritariamente WWE, começou a storyline envolvendo CM Punk John Cena e que depois envolveria Triple H, Kevin Nash, Awsome Truth e todo o seu longuíssimo ano de duração (para no fim não dar em nada)

 

Talvez não fosse uma época boa, mas era uma época simples e meu sono estava tão ruim quanto está agora, mas sem o mesmo tempo livre.

 

SHOWS QUE EU VI DE MADRUGADA!

 

Os dois GCW Joey Janela’s Spring Break acompanhado do famigerado Vinicius. Wrestlemania Weekend é uma ótima época para assistir Wrestling de madrugada.

 

Os eventos da NJPW também são ótimas opções para assistir ao vivo e o horário se encaixa perfeitamente com a proposta deste texto devido a mágica da Geografia.

 

Se não me engano a primeira luta que eu assisti da PWG foi de madrugada, alguma match do Super Dragon que o JB, um conhecido da época, era um tanto obcecado por e, doravante, recomendava dia sim e dia também.

 

Aquela promo do Punk que começou toda a celeuma até o Money in The Bank? Madrugada. Eu estava dormindo na minha vó, a mente já nas férias que se aproximavam. Acabei dormindo muito cedo, acordei mais cedo ainda, o que me fez ter vontade de tacar uma pedra na testa da realidade. Ao invés disso abri o Dailymotion e assisti o Raw daquela segunda para terça. 2011, se não me engano, já era um período de tempo no qual ficou um pouco mais difícil encontrar os shows inteiros para assistir no youtube, divididos em mais partes que a bíblia.

 

Bom, é isso, eu tinha um tema totalmente diferente para discutir hoje, mas como semana passada foi um texto extremamente longo e pseudo embasado essa semana eu resolvi só falar de algo mais leve. E também porque eu não consigo dormir e provavelmente continuarei assim até terminar este dito cujo.

 

Portanto meu querido, TERMINEI!

 

Até semana que vem.

Leia Mais