Flopou

Eu dei uma séria enferrujada desde o último texto e dizem que escrever é bem uma questão de hábito. Tomando isso como verdade, vamos tentar fazer algo minimamente tragável e não muito vergonhoso.

Existe uma categoria de pessoas não muito bem definidas dentro do mundo maravilhoso da lutinha fake. Eles não são imagens consolidadas como nomes cravados em ouro, nem são a merda que fica grudada no aseu sapato depois de duas semanas. Esses lutadores e lutadoras tiveram sua chance entre as estrelas e até brilharam entre elas, mas quando o BIG GOLD estava em suas mãos, tudo o que eles fizeram foi carregar aquele peso morto até que viesse alguém e o tirasse deles.

Na maioria das vezes isso não envolve incompetência, mas sim uma falta de timing da própria vida ou um planejamento porco das mentes – ou, principalmente, a mente desgraçada e velha do daddy – por trás do PW para consolidar aquela personalidade como um World Champion.

Foram três parágrafos para dizer que, em suma, vamos falar de campeões mundiais que deram errado. Parece Orkut? Eu não dou a mínima.

 

Esse gif grita significado por compilar duas falhas em uma. Um era uma promessa proto estelar e nostálgica que tinha tudo para dar certo e o outro era o Jack Swagger. Para falar a verdade, o homem que hoje estapeia uns tios no Bellator também é uma promessa nostálgica pois, da mesma forma que o Ziggler tenta – e até demais, na minha opinião – emular o Shawn Michaels, Swagger era uma versão alta e com língua presa do Kurt Angle.

E sem um terço do talento, claro. Os dois protegidos de Vick Guerrero seguraram o World Heavyweight Title e foram abaixo do medíocre. A segunda vez que Dolph ganhou o título foi em um dos cash ins mais legais de todos e mesmo assim isso resultou num reinado de merda.

Isso já nos traz a outro pensamento: Money in the Bank gera uns campeões muito insignificantes. O primeiro reinado do Punk? Ridículo. O run do RVD com o WWE Title? Acabou num Raw qualquer. Até o Swagger, supracitado homem. CARALHO, parando pra pensar agora, Money in the Bank traz consigo uns reinados muito merdas.

Isso me lembra Sheamus com seu moicano do inferno. Bem triste a vida nesse período, melhor esquecer.

E para não ficar preso na empresa dos W, vamos para a TNA falar de outras pessoas insignificantes, pelo menos para a competição individual. O primeiro nome que salta é James Storm, que carregou o título por menos de uma semana e deu espaço para Bobby Roode… começar sua jornada até o título 24/7

Entre as mulheres a situação não é diferente. Não existe tempo suficiente no espaço contiuum para falar do quão decepcionantes são os reinados da Sasha Banks. Temos nomes como Eve Torres e Alicia Fox que, sinceramente, sei lá parceiro.

Para tal fato, caro leitor, não existe regra nem régua. Para você o reinado de Dean Ambrose como WWE Champ pode ter sido uma bosta. Para mim, o mais recente de AJ Styles foi um desastre, assim como o último de John Cena. É tudo uma questão de ponto de vista e expectativa.

O importante é ter seu nome na história, afinal de contas. Mesmo porque, no final nenhum de nós lembrará de nada.

Leia Mais

suicidio

Untitled

Hoje não existe quebra de quarta parede nem gifs. Ashley Massaro foi encontrada morta na manhã de terça feira em sua casa localizada em Smithtown, Nova Iorque. O óbito, pelo que se descobriu mais tarde, foi aparentemente causado por suicídio.

 

Não é possível começar a descrever a sensação dessa descoberta. Não é o primeiro caso de suicídio que temos esse ano dentro do mundo do Pro Wrestling e nos dias da morte da Ex Wrestler da WWE, certamente ela não foi o único ser humano a tirar a própria vida.

 

E não existe nada relacionado ao clássico Setembro Amarelo Bullshit que eu possa dizer aqui que vá mudar alguma coisa sobre isso. O papo motivacional é só merda quando doenças como depressão, fobia social e ansiedade começam a marretar a nossa rotina. Só existe você e, caso você tenha sorte, uma rede de apoio.

 

Isso não é um pedido de atenção para que vocês passem a se conscientizar sobre o suicídio e os problemas de saúde mental. É a porra de um grito no escuro para cada fã de wrestling e cada um que se considera ser humano. Pois não pense que as empresas e companhias estão dando meia foda para a morte da Ex Campeã mundial ou para qualquer outro lutador que já tenha cometido ou tentando suicídio.

 

A WWE, para dar nome aos bois, vai tirar o cu dela da reta. É assim com Benoit, que matou a família e se suicidou, é assim com Ashley e vai ser assim com qualquer outro lutador que passe por isso. Porque atentados contra a própria vida não dão renda, não passam uma boa imagem para uma empresa que faz seus empregados saírem todo dia para o trabalho sem um tratamento minimamente preparado para lidar com sua saúde física e mental.

 

Nem durante e nem depois.

 

Porque a vida é assim. A marca quer lucro e as pessoas se parecem cada vez mais com marcas. A nossa única chance é tentar ouvir, mesmo que seja extremamente difícil, algo mais que o som da nossa própria voz. Porque daqui há duas semanas esse assunto vai ter passado e só quem vai se lembrar TODOS OS DIAS são os parentes próximos e quem realmente sentiu a falta de mais uma pessoa na mesa da janta ou no sofá de fim de noite.

 

E a parte mais difícil é admitir que ainda assim existe esperança e não, não é nada fácil de encontrá-la. Mas você precisa e não só para você, mas para o outro também. A prevenção do suicídio não começa com você abrir sua caixa de mensagens do messenger para ouvir desabafos, começa com você não sendo escroto na rua; começa com você perceber quando uma brincadeira vira afronta. Começa quando você entende que, na realidade, não existe o maldito “mimimi” que as pessoas querem te enfiar guéla abaixo. Essas três sílabas afogam e matam lentamente.

 

Antes que alguém argumente, SIM, A GENTE ERRA PARA CARALHO. Eu, Alex Maniezo, não o Léquinho, mas a pessoa que escreve aqui todos os dias, o Alex, ERRA PARA CARALHO! Eu xingo as pessoas quando não precisa, eu trato mal quando poderia ser mais leve ou só ignorar. Eu não ouço os socorros dos meus melhores amigos muitas vezes por estar preocupado comigo . E tudo bem se preocupar consigo . Porque isso também ajuda, isso também previne e isso também salva.

 

Entretanto é preciso entender que existe uma doença por ai e ela é bem real. Existe remédio, existe tratamento e o que você pode fazer é apoiar. Tudo fora disso é prepotência ou egoísmo. Pode parecer duro demais, contudo é preciso também espalhar a ideia que não existe um salvador dentro de todos nós para quebrar uma doença na labia, um discurso motivacional por vez.

 

É preciso ter consciência e isso, num primeiro momento, já ajuda muito. Porque é daqui que começa, é por baixo. A Netflix vai continuar fazendo dinheiro com 13 Reasons Why, a WWE ainda vai sugar a vida de cada lutador ali até a última gota de exaustão e os estudantes de medicina vão seguir com o maior índice de suicídio dentre todos os universitários que, por si só, já são uma classe com altos índices de ideação suicida.

 

Não existe uma maneira boa de terminar um texto ruim. Tudo o que fica é mais uma perda dentre tantas, mais um corpo que foi negligenciado por uma grande companhia, dentre tantas outras como sua rede de fast food favorita ou seu supermercado. O problema esta sempre mais perto, mas a solução também deve estar, existe ajuda e apoio.

 

Mas, em momentos como esse, eles parecem distante e tudo que nós vemos são os pêsames para a família e os amigos, uma comunidade específica que perde mais uma pessoa presa em sua própria mente.

Leia Mais

chants e cartazes

Cartazes e Chants

Me desculpe você, leitor atento, pois não postei nada ontem, a não ser alguns tweets. Bom, eu meio que tinha um compromisso neste último 15 de maio, mas agora estamos de volta com força total para falar sobre o bom e velho restling pofrissional.

Bom, as vezes é um saco ter que aguentar a massa, não é mesmo? Ela grita, ela empurra, ela não tem uma ordem concreta e nem previsibilidade matemática em suas ações. Contraindo e expandindo como um músculo automático, o público vai… para onde o espirito do caos manda. E o PW ajuda a controlar esse espirito, colocando ali entre as paredes de um ginásio um experimento controlado dessa convulsão que é a massa.

É lógico que temos ali dentro um certo perfil, principalmente quando fala-se de WWE, mas siga o raciocínio e não os detalhes, leitor disperso.

As pessoas as vezes sabem realmente para onde querem ir. Elas se juntam, organizam, sabem o que gritar e estão lá para apoiar seja lá o que querem, independente de qual seja o grito de guerra dessa semana ou o cartaz espertalhão. Assim toca o PW, juntando gente que tem ciência do que quer e pretende ajudar a guiar aquela força maior para um caminho minimamente mais condizente.

As vezes a multidão também é estupida, quer chamar mais atenção que o importante, quer puxar pro outro lado. As vezes rola um beachball. É hora de respirar, olhar para frente e seguir andando. O Status quo e o acaso incontrolável ficam a cargo de mãos incapazes. Na maioria das vezes, tais mãos são só um imbecil de terno. Mas eae? Faz parte, uma hora as partes ouvem. As vezes o que o Wrestling precisa é somente de números, chants e cartazes.

Mas como diria J.R, nada a ver com a realidade essa coisa de luta livre.

Leia Mais

Caricaturas

Para aqueles que ainda não se deram conta, eu possuo um grande carinho por um Wrestler conhecido como Undertaker. Mas ele é só um símbolo, uma representação sobre algo que realmente me agrada dentro do mundo do PW e que evoca a  paixão por essa indústria vital: as caricaturas.
A criação de personagens existe desde que o mundo é mundo. Quando o primeiro ser juntou os dedos na grama e falou “que merda, mais um dia”, ai estava já um personagem.
Entretanto, não esqueça, leitor esquecido, nós evoluímos.

caricaturas papa shango
Que homem <3

Logo este humano primordial se ramificou em todos os nossos Undertakers e Papa Shangos e Doink The Clowns e todas as outras caricaturas que a industria vital já sangrou e suou para nós.
Podemos ver o ápice dessa cultura, pelo menos dentro da WWE, quando falamos da New Generation – ou a fase em que o Undertaker usa as botas roxas, a melhor roupa de todas – com a chegada da verdadeira era de ouro dos super-heróis.
Durante muito tempo se tornou comum meter o pau na New Generation em comparação com a Atitude Era, uma vez que a versão porra louca hardcore da WWF vendia que nem pão quente comparado a nossa amada fanfarra de cores e, bem, Wrestlers realmente bons.
Nada contra Austin, Rock e o realmente excelente Kurt Angle, mas se existiu uma época em que a elite do Wrestling estava no Main Event da empresa e não no fundo, essa foi a New Generation e, para a nossa felicidade, com os personagens mais bizarros de todos. Claro que ainda tinhamos lixos como Scott Hall e Kevin Nash, mas… Tinha-se coisas geniais como o supracitado Papa Shango, pessoas que pareciam das histórias do Timtim como o King Mabel.
Até o próprio Mankind passa por minha fase favorita dentro desse período de tempo.
Caminhávamos felizes naquela época, perdido leitor, entre cuidadores de porcos e palhaços que cheiravam cocaína. O velho dava lugar ao novo e era um futuro brilhante, que se desenhou, desbotou, foi desfeito em pedaços e deixado na praia para alguém catar e montar.
E não é que montaram? A cultura das gimmicks extravagantes segue viva e muito bem obrigado. Temos a gloriosa Chikara que é provavelmente o maior exemplo de New Generation no Wrestling, com tantos personagens que seria até bobagem tentar classificar todos – inclusive? Beijos The Colony. Outras companhias ainda são praça para esse tipo de atração, não só nos EUA. Inclusive no Brasil, apesar da grande quantidade de Gimmicks Post Grunge NU Rock Hardcore Porra, temos lá sua parcela de criatividade infantil e muito bem vinda.
Dentro da WWE tinhamos os Vaudevillains, temos a Sanity, os War Raiders – CCXViking de cu é rola – a Ascencion, que floopou miseravelmente e, provavelmente, o cara que provavelmente chegou mais longe dentro da empresa nos últimos anos com uma Gimmick tão caricata: Bray Wyatt.
Agora vestido como novo membro do Slipknot fazendo cosplay de coringa e parecendo uma Mara Maravilha do cu de satanás ele promete voltar para… sei lá, fazer alguma coisa.

 


Infelizmente as vezes perdem a mão e temos coisas asquerosas como a própria feud entre o Wyatt e o GOSTOSO do Finn Balor. Mas ai é outro papo.
Bom dia.

Leia Mais

Detalhes

Pro Wrestling, tal qual o cetro da Prometeram é composto pelo macro e pelo micro. Isso em uma visão bem simplista de “assim na terra como no céu ” nos leva a pensar que se os fogos e as luzes e as musicas são importantes, também são os movimentos de cabeça e os olhares e algum movimento a mais.

 

As vezes é espontâneo. Sentado na recepção do consultório da dentista eu consigo pensar em alguns exemplos. O primeiro é a capa deste artigo. Parece idiota, mas a merda do olhar catatonico do Sr. Rau Dudley me traz felicidade genuína.

Da mesma forma, o selling do ACH me da agonia e me irrita um tanto. Me irrita por que é excessivamente bom. Vocês já perceberam que este filho da puta parece não ter articulações?

É realmente um show a parte.

Ninguém da um Peoples Elbow que nem o The Rock. Os inúmeros Elbows Drops e Frog Splash dentro da indústria se diferenciam em impacto, velocidade e narrativa por conta de simples processos. A altura do cotovelo, a postura do corpo. É a escrita, tão característica, que mostra a personalidade daquela entidade que o indivíduo encarna no ringue.

Serifas e círculos presos nos quatro lados do ringue meus amigos. É lindo.

E acredito que são esses pequenos detalhes que fazem um Wrestler. São as minúcias que diferenciam os CAWS do No Mercy das verdadeiras personagens de carne, osso e papelão que permeiam nossas storylines imaginárias.

Não é preciso elaborar muito, nenhum de nós é tão complexo assim. Apesar disso, qualquer Wrestler é uma pessoa a parte e deve ter característica distintas daquele que o interpreta. Existe até uma semelhança disso com locutores de rádio.

O abismo esta posto e cravado entre a real voz e jeito de falar de uma pessoa e a persona que ela interpreta dentro do rádio, mesmo que não exista personagem ali. O RG e CPF são os mesmos, mas a voz que sai do seu rádio não é a fala crua. Da mesma forma o PW é uma performance e nós talvez nunca conheceremos um lutador de verdade. São mascaras, nós as vestimos todos os dias. A unica diferença é que eles estão no ringue.

Assinem minha newsletter e leiam o último texto do LKS no WrestleBR. LKS é um gigante que me da vergonha de escrever comparado a quão bom é esse porra.

Leia Mais

Mount Rushmore 1.0 memorias

Random Memories

Um título em inglês é cafona, mas é do que eu preciso no momento.

00

Existem algumas memórias muito aleatórias para entrarem em textos separados e muito curtas para irem dentro da newsletter. Então elas estão aqui, para você, como uma trilha de baratas mortas que eu esqueci de recolher.


Eu gostava muito da PWG entre 2012 e 2015. Era uma época que ver essa empresa me deixava mais feliz do que qualquer outro produto atualmente me deixa. Geralmente eu assistia com o Joker e muitas vezes isso acontecia de madrugada em dias de semana, porque adolescentes não tem nada melhor para fazer.

É engraçado porque, se pararmos para pensar, a empresa do senhor Excalibur nunca perdeu qualidade. Mesmo assim, existia um aspecto aleatório nos lutadores daquela época que eu simplesmente não consigo ignorar. Hoje em dia temos só o puro creme do milho dourado; naquela época a gente via o que aparecia e, dentro da PWG, eles se viravam muito bem com o que tinha. E é muito bem MESMO.

 

peter avalon memorias de camiseta azul
Foto ilustrativa do meu homem Peter Avalon

Inclusive, foi numa dessas idas que o nosso amigo Luan fez um comentário sobre a bunda do Jay Lethal, algo que me acompanha até os dias de hoje, junto com aquela clássica promo com o Ric Flair.

Essa empresa ainda me apresentou lutadores como B-Boy e Willie Mack. Também era o lar de um dos meus lutadores favoritos, que logo se mostrou um belo pau no cu e agora tem meu ódio completo, AKA. Michael Elgin.

Dentro do meu banco de dados mental existem uma série de lutas que se misturam envolvendo B-Boy, Ricochet, Willie Mack, Rich Swann, AR Fox, Eddie Edwards, Davey Richards, Roderick Strong sem a personalidade legal, Joey e Candice, todo mundo mais ou menos ali no mesmo balaio. Os golpes que eu vi ali são os mesmos golpes que norteiam a minha noção do que é bom ou não até hoje.


memorias
Meu garoto ainda era novinho

Dentre as memórias dessa época, esta vivo o fato que a gente não gostava do Drew Gulak. Coisa de adolescente revoltado, acostumado com as lutas violentas e achando aquele estilo absurdamente técnico uma degeneração. Mas o Masada perdeu e cara, como o Masada era um assunto naquela época.

Não, não dentro do mundo e das conversas usuais de PW com desconhecidos. Era entre amigos mesmo. Ele, inclusive, já foi título de PipeBomb se não me engano.

A CZW era divertida de assistir. Meio aleatório, ainda assim legal, apesar de eu não entender nada e não conhecer quase ninguém.


Agora uma lista de memórias completamente desconexas de momentos que eu tenho gravados na mente:

  • Várias lutas da Candice contra o Joey Ryan;
  • O Uhaa Nation em uma ladder match da Evolve;
  • As escadas de indie wrestling que me irritavam profundamente;
  • Um show japonês que acontecia dentro de um apartamento e tinha um wrestler fodendo um outro em uma das casas. Eu dormi vendo esse show.
  • A vez que eu e o Joker zicamos o King of Trios e a Chikara acabou
  • As versões fakes da Colony, que era composta por lutadores terríveis
  • O rei do backyard, que era um cara magrinho cujo nome eu não vou lembrar, mas que eu tenho certeza que a gente acabou descobrindo.

Depois de um tempo a nossa afetividade com luta livre vai criando certas conexões que a gente não espera. Associações de cheiro, humor e época do ano. Neblina de manhã e insônia me lembram Wrestling tanto quanto um dia quente perto do ano novo. Épocas difíceis de agonia, ansiedade descontrolada, desilusões amorosas, tudo passa por uma fina rede composta por colantes e lutadores medianamente desconhecidos em salões de festas.

E todas essas memórias morrem na contagem de

1

2

3

Leia Mais

taker gonzales streak

Gonzales x Taker ou a pior luta da Streak

Acredito que todo fã de PW com mais de três meses de Lutinha saiba o que é a streak do Undertaker na Wrestlemania, então vamos sem muito contexto aqui. Eu descobri esse feito logo nos primeiros dias assistindo PW no SBT e essa marca nos acompanhou até 2014, data em que a streak se foi, morta vítima de uma luta abaixo do medíocre.

E é esse o nosso enfoque. As lutas da Streak são, em sua grande maioria – e aqui eu estou sendo muito bondoso – medíocres.

Alguns poucos lutadores conseguiram tirar combates proveitosos do homem quase morto e muito calvo. A partir da Wrestlemania 23 tivemos um padrão bom que seguiu até a Wrestlemania 29. Depois disso foi o fim e o que segue não é relevante.

Mas, se todo atleta tem um ápice, certamente também passou por um fundo do poço. Para o garoto ruivo, esse fundo do poço tinha um alçapão mais fundo que a escotilha de Lost e lá  dentro tinha uma pá para ele cavar mais.

Giant Gonzáles vs Undertaker é pior que ir em gravação do programa da Ana HickmanN.

Caso você ainda não tenha percebido, leitor distraído, eu amo um homem. Bom, talvez não o homem em si, mas sim a personalidade, O personagem e toda aura que o envolve nos anos que participou dessa indústria vital. Ah, e eu também gosto do Undertaker.

Os conhecimentos aqui contidos sobre o homem com roupa de 00músculos e pelos são extremamente limitados. Ele, tal qual o Sr Coveiro, teve uma passagem pela WCW e aparentemente foi melhor aproveitado que Calaway. Seu maior feito? Estar algemado a Ole Anderson quando o Sting ganhou o título de campeão.

Sinceramente devia ter continuado assim.

Taker vs Gonzales é o que existe de ruim no burlesco e absurdo. Certamente seria impossível carregar Gonzales em uma luta e, estando em uma época que o Undertaker não realiza muito mais que enforcamentos, clotheslines e Old School – e se você vier com “ain mas ele continuou assim” PAU NO SEU CU – temos aqui um clusterfuck da desgraça doida.

 

Mas a estética me agrada. Na última edição da Newsletter eu falei um pouco sobre como eu gosto do visual das coisas e, sinceramente, essa luta com dois Wrestlers habilidosos teria tudo o que eu gosto em PW: Gimmicks over the top e uma qualidade quase quadrinística para a coisa toda.

Sério, um gigante latino contra um coveiro? THIS IS MONEY.

Mas a luta é uma merda e eu também, caro leitor. Outro dia falamos mais sobre a Streak, porque esse assunto rende muito.

Fique bem, até amanhã.

 

Leia Mais

Segunda

O final da semana passada foi pesadíssimo e eu tinha muitos textos pessimistas guardados dentro do baú sobre como o Wrestling as vezes não é o suficiente.

 

Sinceramente, não é disso que a gente precisa agora. Também não é de motivação barata. Um meio termo, senhoras e senhores, é sempre bem vindo.  

 

Mas, de fato é segunda, as histórias vão seguir sua narrativa, a sua empresa favorita vai continuar escrevendo e fazendo um monte de cagada. Eu acordei hoje e vi um Gif do PAC quando abri o Twitter.

segunda falcon arrow
avoa bonito

 

É estranho viver uma relação de amor e ódio com algo que faz parte da sua vida, independente do quão recente ou velho é isso dentro da sua rotina. Vamos da apatia ao ódio, depois para um amor extremo. Mas Luta-Livre é sempre luta-livre, envolve gente, expectativa e frustração.

 

Ainda é segunda, tem Raw e provavelmente vai ser uma bosta. E tudo bem.

 

Também é normal querer dar um tempo de PW as vezes. Cansa, e então você precisa de algo novo, talvez outro tipo de Wrestling, outras épocas, ou só um descanso mesmo.

 

A semana começa agora e talvez tudo piore de novo. Francamente, é sempre a possibilidade mais gritante.

Frank Gotch segunda

E ai você vê um combate, de repente se apaixona por uma época histórica, um estilo de luta… e tudo volta ao normal.

 

Nada faz sentido, querido leitor, e você também não precisa fazer. Wrestling é caos, sem explicação, indo do nada para lugar nenhum. Você pode entrar no meio da jornada e ainda se divertir um bocado.

 

Mas aproveite, hoje é segunda.

Leia Mais

ssp kidman

Em honra ao melhor SSP

Billy Kidman é um homem injustiçado, meu amigo e minha amiga.

 

Além de ser um wrestler absurdamente bom que nunca conseguiu ser reconhecido além da barreira dos títulos open e talvez algum segmento cômico, este homem é criticado por ter, indiscutivelmente – na verdade tudo é discutível, mas foda-se, o texto é meu – o Shooting Star Press (abreviado aqui para SSP) mais bonito da indústria vital.

Eu já falei esse assunto com muitas pessoas, principalmente com o Joker, mas a resposta é sempre o mesmo texto improvisado de estupidez, ignorância e blasfêmias, condensados em palavras tão vis que terei de reproduzir aqui, apesar de atentar contra a base da dignidade humana. A fala é:

-Ai, mas o SSP dele é tortão, moh feio.

Primeiramente, todos vocês lavem suas malditas bocas e peçam perdão ao senhor para que ele salve sua alma do inferno do PW onde Baron Corbin fala eternamente abraçado com Hulk Hogan, Nakamura e Tatanka. Segundo, o SSP do Billy Kidman é sim torto, mas a beleza plástica e agressiva desse golpe milenar esta ai.

Não, falando sério agora, eu sei que essa porra é esquisita, MUITO esquisita, mas cara…. COMO EU GOSTO DESSE GOLPE. Eu acho que o SSP dele, por justamente ser muito errado, da uma cara de funcional para o golpe. Parece que ele errou e realmente machucou o oponente, quando a gente sabe que está tudo bem e na verdade o mundo segue como deve ser.

Então eu queria deixar aqui essa homenagem ao golpe voador mais bonito da história da Luta Livre mundial e dizer que todos os detratores deveriam ir para o paredão receber porrada de lego quebrado nas costas.

Billy Kidman é um gênio e seu Shooting Star Press é nada menos que a transposição de Fibonacci para o Wrestling.

E ele usava camiseta regata branca, puro estilo de fudido.

Bom dia.

Leia Mais

2019

2019 e duas coisas deveriam ter acabado

Evento na Arábia Saudita

  • Os filhas da puta esquartejaram e torturaram um jornalista, acho que é muito mais inteligente guardar dinheiro não apostando em uma ideia falida de futebol do que ir fazer um evento lá.
    Um show em que as mulheres não podem lutar, que gerou conflito e enrolou um monte de storyline e que ainda teve uma merda de booking. Inclusive a vida, o universo e o golias geralmente punem a WWE com um resultado dos mais infelizes e insatisfatórios.
    Do Greatest Royal Rumble a gente só tirou o Titus O’Neal. Agora…
    Sério, alguém viu a merda do Crown Jewel? Aquilo é mais incômodo que cair da escada com uma faca de desossar no bolso. Eu não limpava a sujeira do cachorro com o Crown Jewel se ele fosse um jornal. Logicamente isso não acontece por ser uma punição divina – ou acontece, sei lá – mas sim por ser um show no meio do ano onde claramente não era para ter PPV.
    Ai depois tentam desenrolar e eu tenho que ficar vendo o pai do Miz nos shows. EU NÃO QUERO VER A MERDA DO PAI DO MIZ.
    E não, o objetivo não é que os fãs tenham ficar sem ver o show de seus astros. Entretanto é muito melhor quando a empresa se posiciona em não defender um regime que mata gente do que uma criança ver o Undertaker velho fazendo merda.
    E nem ver o Shane virar Best in The World
    Ou o Kurt Angle ser squashado
    Ou…

Hulk Hogan

  • Sempre foi uma merda e além disso é um racista filho da puta. Eu poderia explicar mais, entretanto o Killer Mike explica melhor que eu:

 

 

 

Esse texto muda algo? Claro que não, inclusive se eu fosse um executivo da WWE e visse alguém como eu reclamando, ai que eu faria mesmo. Porque eu não gosto de mim e você também não deveria. Acontece, meu caro leitor paciente, que isso não muda os fatos. A empresa está fazendo merda, muita merda, aceitando um dinheiro obsceno para fazer um show desnecessário com cara de Fã Fic para um bando de ricaço que caga para os direitos básicos que qualquer ser humano deveria ter.

Bom, se você discorda de mim, a caixa de comentários é toda sua para você escrever o que quiser.

Enquanto o site estiver sob minha vigília eu seguirei reclamando.

Porque é 2019, alguma coisa tem que mudar.

Leia Mais