Semanalfabeto 18#

Sierra, Hotel, India… Ah, você já sabe o resto

Os meninos estão juntos mais uma vez

 

Retorno para falar, de novo, sobre WWE, mas isso vai mudar. Existem forças em movimento nesse mundo solitário do semanalfabeto que vão fazer uma curva na estrada, mesmo que eu não saiba muito bem para onde ela vai.

Siga-me então, por hora, nesta linha reta.

A Shield voltou! Como ficamos felizes com essas coisas não? Se não estou enganado nem um ano se passou desde que eles se juntaram para bater Miz, Bar e companhia, o que acabou um tanto rápido quando Ambrose se lesionou. Pois não é que logo quando ele retorna…

Acertar os números da Sena de semana passada é mole, mas te falar que eu já meio que esperava? Poxa, Braun Strowman foi construído para ser uma força imparável e a Shield, essa amada Stable que, na minha cabeça parece jovem, mas já tem seus bons anos desde a estreia, foi criada justamente para lidar com esse tipo de força. Na época era o Ryback.

Ouso dizer que evoluímos, mas ele discordaria. Por sorte ele não está aqui.

A subida desses três lutadores ao Main Roster também marcou uma das primeiras edições do PipeBomb podcast, edição essa que se perdeu no tempo assim como tantas outras (a sorte vem para os que esperam). Era uma época que o Luan falava baixo, eu falava fino e o Joker falava. Eram bons tempos. Agora eles estão de volta, pelo menos para o grupo justiceiro, e nós ainda estamos aqui.

As pessoas surgem entram no nosso imaginário de maneira tão forte, ligada a fases e momentos de nossas vidas; é tão estranho e ao mesmo tempo tão bonito ver esse crescimento. Eu, por exemplo, tenho um tipo de ligação sentimental com a Shield ao passo que outros, que acompanharam com mais profundidade a carreira de seus membros no território independente (principalmente Tyler Black e Jon Moxley) vão sentir uma conexão mais forte.

E ainda teve aquele 19 de Junho de 2016, Money in the Bank.

A fatídica e mágica noite na qual a Shield entrou e saiu campeã mundial da WWE. Entrou através de Roman Reigns, passou por Seth Rollins e acabou nas mãos do então Mr Money In The Bank Dean Ambrose. Eles se enfrentaram, brigaram durante muito tempo e agora existe paz e guerra. Pelo menos até brigarem de novo, então haverá paz para todo o resto.

E digo mais: Shield sem Roman Reigns não vale. Assim como não valeria se faltasse algum dos outros dois. Falo isso porque vimos Kurt Angle na Shield, vimos Triple H na Shield, vimos até Chris Jericho, de certa forma, na Shield. Não vale.

Sinceramente, sem contar as lutas que são em House Show “e ai vale tudo pelo espetáculo sem compromisso com cronologia ou a coerência interna da historinha) a Shield deveria perder sempre que falta um integrante e a ameaça é grande demais. Ganhar com Kurt Angle quando estão lutando contra cinco outros lutadores, sendo dois deles “monstros” (chuva de aspas no Kane) não tem lógica nenhuma. Estava claro que a WWE não deixaria a Shield perder a primeira luta pós retorno, mas aquela não era ela.

É muita exigência um pouco de lógica dentro dessa empresa de entretenimento? Provavel.

E SIM, eu gosto dos três inseridos na Shield. Penso que Reigns funciona melhor dentro da Stable justamente pelo apoio que eles dão tanto em mic quanto no ring. Em um período longínquo os fãs, quando os três estavam no ring, gritavam Roman Reigns acima de tudo. Isso foi antes da saturação e, sejamos francos, ela veio forte.

É hora de justiça ser feita e nada melhor que esses três para traze-las até nos, através do caos e de sua “mentalidade de matilha”. Até porque eles são cães e é isso que cães fazem.

Ah, para acabar? Echo, Lima, Delta.

S.H.I.E.L.D

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *